Mitos e Verdades sobre o Álcool

Não é muito difícil você escutar algumas pessoas dando dicas sobre como evitar os efeitos do álcool e o como beber de forma “mais saudável”. Reunimos alguns dos mais falados mitos e as verdades por trás deles.

 

Mito: Você consegue dirigir se não estiver enrolando palavras, cambaleando e agindo de forma estranha.

 

 

Verdade: A coordenação necessária para dirigir já fica comprometida muito antes de você aparentar estar fisicamente alcoolizado e os efeitos sedativos do álcool podem causar sérios riscos de distração e sonolência.

 

 

Mito: Beber café. Cafeína te deixa sóbrio rápido.

 

Verdade: A cafeína pode ajudar no sono, mas não melhora em nada sua coordenação ou raciocínio para tomar decisões rápidas ao dirigir dentre outas ações. E estudos indicam que após o efeito da cafeína cessar a sonolência aumenta ainda mais.

 

 

 

Mito: Demora uma hora para os efeitos de um drink passar.

 

Verdade: Isso é verdade para um drink o primeiro. Para cada drink a mais que ingerir pode adicionar mais 30 minutos, já que os efeitos são acumulativos. (Por exemplo bebendo três drinks, você irá precisar de aproximadamente 4 horas e meia para voltar a ficar sóbrio);

 

 

Mito: O álcool é a causa do alcoolismo.

 

Verdade: Apesar de o alcoolista ser dependente de álcool, não é o álcool em si que causa o alcoolismo. Se isto fosse verdade toda pessoa que bebesse seria alcoolista. O que se sabe é que o alcoolismo não pode ser explicado por um único fator, mas pela interação de elementos genéticos, psicológicos e ambientais.

 

 

Mito: É possível enganar o bafômetro com truques simples.

 

 

Verdade: Pastilhas de menta, cebola, antisséptico e usar moeda na boca depois de beber não enganam o bafômetro. Nem a teoria das pedras de gelo.

 

 

Mito: Beber moderadamente não faz mal.

 

Verdade: Infelizmente, qualquer quantidade de álcool que você ingerir irá provocar um aumento nos riscos de desenvolver algumas formas de câncer, particularmente câncer de mama, incluindo algumas ocorrências mais raras da doença, em partes do corpo como cabeça, pescoço e garganta.

 

E aí gostou das informações, já tinha ouvido falar de alguns desses mitos, conhece mais algum? Comente aqui no blog;

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *