Álcool: como os pais podem prevenir o consumo por parte dos adolescentes

Diz o ditado popular que filho criado, trabalho dobrado. Para muitos, isso não significa exatamente esperar que as crias fiquem adultas. Afinal, é na adolescência que muitos pais são colocados à prova de fogo ao lidar com as mudanças dos filhos. Esses, por sinal, são movidos a um turbilhão de hormônios que alteram não apenas seu físico, como o seu comportamento. Entre as mudanças, pode haver o desejo de usar drogas, especialmente o álcool, por tratar de ser uma droga de fácil acesso. Neste texto, você vai saber como os pais podem prevenir o consumo de bebidas alcoólicas pelos adolescentes.

A adolescência possui alguns traços característicos que podem expor o adolescente a fatores de risco. “Na fase da adolescência encontramos pessoas que buscam por novas sensações, imediatismo, inconsequências, necessidade de quebrar regras e testar limites”, explica a psicóloga especialista em dependência química Sonia Solano Paes Breda, da Clínica Terapêutica Viva.

Influência

Apesar de existir influências externas (como a pressão dos amigos de escola), as relações familiares são as extremamente importantes e influenciáveis na hora do adolescente consumir ou não bebidas alcoólicas. “Pais que consomem álcool e outras drogas diante de seus filhos desempenham inadequadamente o seu papel como cuidador. O consumo de álcool pelos pais tem efeitos negativos sobre o crescimento e desenvolvimento dos seus filhos. Esses filhos que presenciam essas cenas podem demonstrar problemas de aprendizado e dificuldades emocionais”, afirma Sonia.

Leia também: Pais Devem Orientar os Filhos desde Pequenos

Prevenção ao álcool

“A prevenção ao álcool é não estimular bebidas em casa, não consumir e não passar as imagens de glamour com bebidas, existir fortes vínculos familiares, envolvimentos dos pais na vida dos filhos. Os pais devem procurar saber quem são os amigos dos seus filhos, conversarem com eles, ter hábitos saudáveis, uma boa comunicação – clara e sincera, discernimento quanto aos papeis de pais e filhos”, orienta a especialista.

Sonia explica, ainda, que os pais devem estar bem informados sobre assunto para ter bons argumentos caso o adolescente façam algum tipo de objeção. E, caso os pais sintam dificuldade em interagir com os filhos, deve-se procurar ajuda profissional. Se precisar, conte com a gente! Para mais informações, acesse www.ctviva.com.br.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *