Ciúme: quando este sentimento é perigoso?

É difícil conhecer alguém que nunca tenha sentido ciúme, pois é um sentimento que faz parte das relações humanas. Normalmente, o ciumento reconhece e sabe lidar com esse anseio. Mas e quando as emoções advindas do ciúme excessivo tornam-se frequentes e o suposto amor passa a ser torturante e até perigoso?

“Sentir ciúmes dos pais, irmãos, filhos e de seu parceiro é considerado normal, desde que não transforme a sua vida e do outro em um verdadeiro inferno”, esclarece a psicóloga Sonia Paes Breda, da Clínica Terapêutica Viva, que completa explicando que o ciúme passa a ser patológico quando há distorção nas suas interpretações da realidade. “O ciúme excessivo faz com que uma pessoa tenda a fantasiar situações, viva buscando indícios de infidelidade e, assim, a sua vida pessoal fique prejudicada pelo fato de não conseguir pensar em outra coisa que não seja as suas fantasias e desconfianças. A presença de uma terceira pessoa em um relacionamento, sendo que possa ser real ou imaginaria, vai gerar angústia, sofrimento, ansiedade, depressão, pensamentos destrutivos – o que algumas vezes leva o parceiro a agredir o outro para ‘não perdê-lo’.”

Como ajudar o parceiro ciumento?

Na ânsia de demonstrar que o parceiro não precisa sentir ciúme excessivo, as pessoas cedem muitas coisas e que, no fim, não diminuem a desconfiança. A psicóloga afirma que é importante conversar muito com o parceiro e colocar-se no lugar do outro, assim como pedir para o companheiro que coloque-se também em seu lugar a fim de imaginar como é a vida da pessoa que é vítima constante de acusações infundadas. “Se todas as estratégias tenham se esgotado e a pessoa continue com ciúme excessivo, é melhor dar um basta e terminar o relacionamento”, orienta Sonia.

Como se livrar do ciúme excessivo?

Por trás do ciúme, há insegurança, baixa autoestima e personalidade dominante, pois quer controlar tudo ao seu redor. A psicóloga orienta para que pessoas que apresentem este comportamento busquem outras atividades. “Nunca deixe de viver a sua vida em função de viver e controlar a do outro, procure, primeiramente, a se amar, se cuidar, fazer coisas que lhe deem prazer, viajar com os amigos, procurem sair com casal para se divertir, pratique exercícios físicos, conversar com outras pessoas faz muito bem”.

Quando uma pessoa não consegue controlar o ciúme, pode ser indício de que seja patológico. Nesses casos, o melhor é procurar ajuda profissional. A psicóloga explica que é importante fazer tratamento porque na terapia a pessoa tem a oportunidade de entender o porquê da insegurança, qual foi o histórico de vida que chegou a lhe fragilizar tanto assim e a fez ter ciúme patológico. Entenda como é feito essa mudança de comportamento. Veja: tratamento para ciúme patológico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *