Clínica Viva participa de reunião sobre melhorias no enfrentamento às drogas

Nada como uma boa conversa para trocar ideias e debater novos caminhos. Assim foi a reunião, realizada no último dia 3 de dezembro, na Assembleia Legislativa de São Paulo, entre alguns parlamentares da Frente Parlamentar de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas, representantes da Clínica Terapêutica Viva e pessoas interligadas ao enfrentamento às drogas. O tema principal foi a necessidade de melhorias para o Programa Recomeço.90

Durante a reunião, foi feito um balanço sobre os avanços a respeito do Programa, que inclui o Cartão Recomeço, assim como a necessidade de ampliar as orientações aos envolvidos e tratamento.

A Clínica Terapêutica Viva, pioneira no Brasil no tratamento da dependência química, levou propostas à Frente Parlamentar de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas, como o Programa Recomeço ter convênio com clínicas terapêuticas para que o dependente químico possa ter acesso a tratamento especializado com uma equipe multidisciplinar, como médico psiquiatra e psicólogos. Atualmente, o Cartão Recomeço custeia o tratamento de dependentes apenas em comunidades terapêuticas, em que não há obrigatoriedade de atendimento médico e psicológico.

Outra possibilidade discutida na reunião é a criação de cartilhas educativas, sendo divididas em dois tipos: uma para a família, que orientaria como identificar se algum membro familiar está fazendo uso de drogas, o que deve fazer e como pode tratar; e outro para prefeituras de todo o Estado de São Paulo, para orientar os municípios a respeito de verba estadual para o combate às drogas.

A reunião contou com a presença dos deputados estaduais Doutor Ulysses, Orlando Bolçone e Hamilton Pereira, da assessora técnica da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Social, Gleuda Apolinário, da coordenadora de Políticas sobre Drogas da Secretaria Estadual da Justiça, Marta Reis, com os representantes da Clínica Terapêutica Viva: o diretor executivo, Marcelo Lombardi, a diretora terapêutica, Ana Laura Parlato, e o advogado, André Tolentino.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *