Dependente químico tem direito ao auxílio-doença

Quem é dependente químico, ou convive com um, sabe que a doença também afeta a vida profissional. O que muita gente não sabe é que o dependente químico tem direito ao auxílio-doença assegurado pela Previdência Social aos contribuintes do INSS (Instituto Nacional do Seguro Nacional). Neste texto vamos explicar para você como conseguir este direito.

O que é o auxílio-doença?

Quando uma pessoa fica doente ou sofre algum acidente que a torne temporariamente incapaz para o trabalho, ela pode solicitar o auxílio-doença se for segurada pelo INSS, ou seja, ela contribuiu para a Previdência Social.

O dependente químico tem direito ao auxílio-doença porque a doença faz com que muitos não consigam mais exercerem suas funções como consequência do abuso do álcool e/ou outras drogas.

Leia também: tratamento para dependência química

Geralmente a internação ou tratamento é procurado justamente quando o dependente químico já está com a vida familiar e profissional muito desgastada. Por isso, o dinheiro pode ser de grande ajuda ao orçamento familiar, já que o tratamento para a dependência química gera um custo não apenas ao dependente químico, mas para toda família.

Como conseguir o benefício?

O dependente químico tem direito ao auxílio-doença se ele contribuiu para o INSS por, no mínimo, 12 meses antes de solicitar o benefício. Além disso, a Previdência Social exige que o dependente químico tenha acompanhamento médico e que comprove sua incapacidade para o trabalho, feita através de uma perícia médica.

Para o dependente químico solicitar o auxílio-doença, o primeiro passo é agendar uma perícia médica, através do telefone 135 ou pelo site da Previdência Social, clicando aqui.

A família pode receber o dinheiro?

Um medo muito comum dos familiares de dependentes químicos é que eles gastem o dinheiro do benefício para a compra de drogas. Se isso ocorrer, a família pode pedir a interdição do paciente para que outra pessoa (curador) possa receber o auxílio-doença.

Leia também: Como voltar ao mercado de trabalho após a internação?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *