É possível trocar uma dependência por outra?

Diversos veículos de comunicação têm publicado matérias sobre a dependência química da atriz americana Lindsay Lohan, famosa por seus papéis em comédias românticas, após ela sair da clínica de reabilitação na qual ela ficou internada por 90 dias. A atriz revelou, em uma entrevista, ser alcoolista e que o álcool estava incentivando-a experimentar outras drogas, como a cocaína.

Não é a primeira celebridade com problemas com álcool e outras drogas.  O que chamou atenção na última semana, e foi destaque na imprensa mundial, foi a suposta troca da dependência química para um transtorno chamado compra compulsiva.

Segundo o site Radar Online, a atriz passou a comprar compulsivamente em lojas on-line, chegando a gastar, por dia, cerca de 5 mil dólares. De acordo com uma fonte internada na mesma clínica, as compras só pararam porque os pacientes e a equipe da clínica começaram a se irritar com a quantidade de caixas que chegavam.

Mas a troca de uma dependência para outra pode mesmo ocorrer? Segundo os especialistas, sim. Porém, depende do estado clínico do paciente.

“O histórico clínico do paciente é muito importante para observar os sintomas e problemas. Mas podemos pensar que alguns fatores, como comprar compulsivamente, sejam para eliminar a ansiedade provocada pela ausência da droga e possíveis sintomas de abstinência. No caso, utilizar as compras como uma forma de alívio ou anulação de emoções negativas”, explica a psicóloga Aurea Tami Baraldi, da Clínica Viva.

A psicóloga esclarece que pode estar relacionado ao uso de álcool de drogas transtornos como cleptomania, jogo patológico, comer compulsivo, entre outras, pois elas também funcionam como recompensa no cérebro, além de comorbidades (quando há duas ou mais doenças ao mesmo tempo) como transtornos de ansiedade e depressão.

Por isso, o melhor planejamento terapêutico é quando o psicoterapeuta ajuda a identificar e mudar os padrões de pensamento e realizar mudanças de comportamento, para evitar situações de risco, seja na dependência química, seja na compra compulsiva ou qualquer outro transtorno emocional.

Para saber sobre a Clínica Viva, acesse www.ctviva.com.br.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *