Ciúme patológico: quando o amor se transforma em doença

No romance “Otelo – O Mouro de Veneza”, de William Shakespeare, o protagonista Otelo mata sua esposa por estar convencido de que ela é infiel. Só depois é que ele tem consciência da inocência da mulher.

Esse tipo de história não é apenas ficção. Na vida real há casos de agressão e até morte devido excesso de ciúme. É o caso da jovem Eloá Cristina, que morreu em 2008, aos 15 anos, quando seu ex-namorado, Lindemberg Alves, invadiu sua casa, a manteve em cativeiro por mais de 100 horas e a matou com um tiro. Assim como o caso de Mercia Nakashima, que recentemente voltou à mídia devido o julgamento de Mizael Bispo de Souza, ex-namorado e responsável pelo crime.

Mas nem só os homens sofrem de ciúme patológico. As mulheres também fazem diversas coisas para achar “provas” de uma possível traição, como seguir o namorado, vasculhar bolsos, celular e as redes sociais do amado e muitas até contratam um detetive para segui-lo.

De acordo com a psicóloga Andréia Guimarães, da Clínica Viva, quem sofre de ciúme patológico tem muito medo de perder a pessoa amada. “Geralmente são pessoas inseguras, com falta de confiança em si próprio ou no outro, pessoas com medo de rejeição e com medo de perder, o que acarreta comportamentos obsessivos”, esclarece.

Ainda segundo Andréia, o ciúme patológico faz com que a pessoa distorça informações da realidade, perdendo o controle da vida e sufocando o parceiro(a). A psicóloga ressalta alguns sinais importantes para identificar se uma pessoa está sofrendo de ciúme patológico.  “Seu trabalho é afetado por não conseguir se concentrar, faz ligações várias vezes ao dia, para verificar o que o outro está fazendo, realiza cobranças em excesso, faz perseguições, indo muitas vezes aos lugares para ver se encontra a pessoa e se não está sendo traído(a), entre outros”.

O ciúme patológico é um transtorno emocional que pode ser tratado. Andréia esclarece que, através da psicoterapia, é possível recuperar a autoestima e segurança, além de saber lidar melhor com o medo da perda e as distorções em relação ao relacionamento afetivo.

Saiba mais: tratamento para ciúme patológico

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *