Casagrande fala sobre o tratamento da dependência química no Faustão

O comentarista e ex-jogador de futebol Walter Cassagrande subiu ao palco do programa Domingão do Faustão do último domingo para uma conversa sobre a volta por cima que deu em sua vida, após enfrentar problemas com as drogas.

O programa relembrou alguns momentos e gols marcantes de sua carreira. Casagrande parou de jogar em 1994, aos 31 anos, por problemas no joelho e pela falta que sentia da família. Ele lembrou o caso de muitos jogadores que fazem sucesso e depois param de jogar. “A primeira impressão é o sossego, mas depois o cara começa a sentir falta de alguma coisa. Acho que isso acontece em qualquer profissão. É querer preencher um vazio com outra coisa. Aí surge a depressão. Foi o que aconteceu comigo, eu virei comentarista, mas sentia falta de alguma coisa, sentia um vazio, não conseguia.”

O comentarista abriu o jogo sobre a sua relação com as drogas: “Foi uma curiosidade na adolescência, e com a minha parada de jogar, eu encontrei erroneamente um falso prazer que a droga te dá e anulava o vazio que eu tinha, mas era uma coisa muito falsa. Quando o efeito passava, o vazio ficava maior. Um dos efeitos da droga é o congelamento emocional, não te deixa nem feliz nem triste. O que te atrai nas drogas é que você não consegue lidar com aquilo sozinho.”

Atualmente, ele tem três psicólogos e faz tratamento com psiquiatra. “Às vezes, peço que me acompanhem quando eu saio, não é por medo de uma recaída, é porque eu fiquei muito tempo congelando minhas emoções e a gente se emociona com certas situações”, revela. No tempo em que ficou na clínica, um ano, Casagrande cuidava da horta e do jardim durante o dia.

Nos seus primeiros quatro meses internado, ele não aceitava a doença e queria ir embora, mas depois a ficha caiu. “Eu não sou uma pessoa ruim, nunca prejudiquei ninguém, estava prejudicando a mim mesmo, mas atrás de mim tem dois pais, irmãos, três filhos e amigos. E eu estava sendo egoísta, porque estava prejudicando a eles também. O dependente perde a crítica, não percebe.”

Casagrande comentou sobre um acidente ocorrido em 1997. Ele começou a ver visões e saiu de casa e foi para um hotel. Quando ele saiu, dormiu no volante e acabou capotando. “Ali, que fui internado.”

O comentarista lembrou que as drogas não escolhe raça, nem classe social. “É uma armadilha. Você tem que se tratar, caso contrário você volta.”

Para assistir à entrevista e ler a matéria na íntegra clique aqui.

Quer ficar sempre atualizado? Siga-nos! @ctviva

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *